Diário

24/07/2013 - 07:29 | Postado por:
32- Malaysia 24/07/2013

Petronas Twin Towers

Subindo o sudeste asiático, hora de realizar outro sonho. Na Malásia, conhecer Kuala Lumpur e as Petronas Twin Towers. Duas torres gêmeas, que já foram os prédios mais altos do mundo, e que ainda encantam pela sua beleza construtiva. Desde a primeira vez que vi as fotos na internet tive vontade de conhecê-las. Vindo do aeroporto já me impressionou a quantidade de viadutos e a largura das avenidas. Quase não tem cruzamentos. Não é fácil encontrar as torres. A cidade é repleta de prédios altíssimos.  Mas quando se chega nas proximidades, não tem como não ser atraído e se impressionar com o prédio. Tudo é imponente. A beleza, a altura, a limpeza – parece que acabaram de fazer – a harmonia entre as duas torres. O local funciona como um ponto de encontro gigantesco. Do lado de fora, milhares de pessoas tirando fotos, fazendo poses engraçadíssimas para tentar se enquadrar junto com o prédio, dentro, um dos maiores shoppings do mundo.

Falando nisso, a cidade é conhecida mundialmente como o paraíso dos “shoppers”.  Dois entre os 10 maiores shoppings centers do mundo estão em Kuala Lumpur. A americana CNN tem um ranking de shoppings onde a cidade é considerada a quarta melhor do mundo para fazer compras, segundo a média, dos 4 itens considerados – deslocamento, experiência, variedade e valor. Mas é a única que teve nota 10 no item valor! Ou seja, além de muita variedade, aqui é o lugar mais barato do mundo. Impressiona também a quantidade de lojas. Parece que é um shopping do lado do outro. E onde quer que se olhe tem luzes piscando e chamando para compras.

Meu passatempo era andar pelos corredores observando as hordas de compradores, indianos, japoneses, australianos e chineses, sim, os chineses vem comprar aqui, no seu entra e sai das lojas, carregados de pacotes. Na área de alimentação de um deles, achei uma loja de sucos que misturava tudo: frutas, proteína, granola, mel, açaí. Todo dia ia bater ponto. Ao final consegui resistir a tentação das compras. Sempre que me via com vontade, lembrava do tamanho da minha mochila. Não cabe nada além do essencial. E, por isso, fiz um pacto comigo. Se comprar algo, tenho que doar algo.

Em Kuala Lumpur ouvi muito falar em Malaca. Lembrei das aulas de história. Do Estreito de Malaca. Pois é, estava bem ali ao meu lado. Não perdi tempo. Me informei e, para minha alegria, ficava há apenas 2 horas de viagem. Ideal para um bate e volta.

Saí bem cedo para aproveitar ao máximo. A cidade realmente é maravilhosa. Por tudo. Pelo contexto histórico, pelo astral, pela geografia. Parece que parou no tempo e, pra quem gosta, é um lugar pra ficar vários dias. Tem muitos hotéis e hostels bem baratos. É um lugar pequeno, mas tem nada menos do que 24 museus. A cidade era parada obrigatória na época dos descobrimentos, lá por volta do ano de 1.500. Principalmente como ponto de passagem e abastecimento dos navios nas suas viagens de comércio de especiarias entre o oriente e o ocidente. Malaka era um ponto realmente estratégico. Foi alvo de muita cobiça por parte de portugueses, espanhóis, holandeses e piratas, muitos piratas! No centro da cidade tem muitas fortalezas com paredes de quase 1 metro de espessura. A mais famosa delas é a “Porta de Santiago” feita pelos portugueses.

Andar pelas ruas de Malaca é como voltar ao passado. A cidade é patrimônio histórico mundial instituído pela Unesco. Além disso, seus moradores sabem como receber os turistas de forma carinhosa e os levam a passear em suas bicicletas super enfeitadas, num passeio de 1 hora, percorrendo as principais atrações.