Diário

06/08/2014 - 22:10 | Postado por:
48 – This Is Africa 07/08/2014

 

Mulher "Herero"

Mulher “Herero”

A África, normalmente é o último continente a ser visitado por um viajante. Por toda a sua complexidade, falta de infra estrutura, desde a pouca quantidade e qualidade de hotéis, transporte aéreo interno extremamente caro, até as estradas em estado precário, corrupção e problemas políticos internos em muitos países. A África do sul é uma exceção, mas ainda tem a violência urbana e muitos resquícios do “Apartheid” presentes na maioria das grandes cidades. Nos demais países, a pobreza e a precariedade da infra estrutura, exige do turista uma abnegação e resignação que afasta os menos experientes. Por tudo isso a Namíbia talvez represente o único lugar da África atual que pode atrair e agradar tanto o mais experiente turista quanto o menos viajado. E o melhor é que aqui tem tudo o que um visitante da África pode sonhar. Tanto em aventuras perigosas, mas relativamente seguras, proximidade com animais selvagens, ambiente inóspito, hotéis acolhedores, e estrutura e povo altamente preparado e com vontade de receber turistas.

Não é a toa que a indústria que mais cresce aqui é a do turismo, representando a maior fonte de recursos financeiros. O fato de o país inteiro ser apenas um imenso deserto, com exceção de uma pequena área no norte, é um dos principais atrativos turísticos explorados. Nenhum país do mundo oferece as mesmas características. A capital, Windhoek, está localizada bem no meio desse deserto, servindo de ponto de apoio, inicio e fim de roteiro, para todos os que aqui chegam. A maioria dos turistas bem informados, em vez de ir a moderna África do sul, vem até a Namíbia para alugar carros 4×4, totalmente equipados, com barracas de teto para até 4 pessoas, água e combustível extra, capazes de enfrentar dunas e estradas de terra em quaisquer condições, por dias sem precisar voltar “á civilização”, por preços relativamente baratos, em torno de U$110 por dia, na baixa temporada – maio a agosto, face a enorme concorrência de centenas de locadoras especializadas. É normal os viajantes pegarem os carros aqui, sem limite de kilometragem e rodarem por todos os países vizinhos, como África do Sul, Botswana, Zimbabwe, Zâmbia, Lesotho e Suazilândia, perfazendo em média uns 6.000 Km. Ha grandes descontos para locação de longo prazo.

Namíbia – Um Paraíso desértico!

Talvez o melhor da Namíbia seja a possibilidade de curtir tudo com muita tranquilidade, se sentindo quase sozinho no mundo. O país tem apenas 2.900.000 habitantes e uma taxa de ocupação de 3 pessoas por  quilometro quadrado. A capital tem apenas 400.000 habitantes, constituída em boa parte por alemães e demais europeus. Na estrada se sucedem imensas áreas totalmente desabitadas, mas de beleza quase surreal.

Em todo o país, ingredientes para a aventura é que não faltam. O sol brilha mais de 300 dias por ano, sem uma nuvem no céu azul, contrastando com o vermelho e laranja das dunas desérticas. Aqui estão as dunas mais altas do mundo – e a mais famosa – a Duna 45, em meio a um cenário fantástico  e “diferente”, num lugar chamado Sossusvlei e Deadvlei, onde acácias milenares ainda estão de pé, graças à secura do ambiente, retorcidas e enegrecidas pela exposição ao sol, criando uma imagem surreal, que atrai fotógrafos do mundo inteiro. Há milhares de anos, essas árvores faziam parte de um lago verdejante, abastecido por um rio, que acabou bloqueado pelas dunas.

Ali bem próximo está o Fish River Canyon, o mais largo do mundo, chegando a ter 27 Km de largura e 550 metros de profundidade. O Parque Nacional Etosha é um dos mais famosos do mundo e, em seu tamanho original, era o maior parque da África, com quatro vezes o tamanho atual. Muitos viajantes o consideram o melhor lugar para safári por sua aridez permanente. Isso faz com que os animais se concentrem nos “waterholes”, literalmente, “buracos com água”, praticamente a única fonte de água, disponível para saciar a sede e aliviar o calor desértico da região. Nesses lugares, numa noite, cheguei a contar 23 elefantes e 5 leões reunidos no mesmo momento, para alegria dos felizardos presentes, que não paravam de sussurrar seguidos : “Uauuuu……” Afinal, quantas vezes na vida, alguém tem o privilégio de presenciar essa cena!?

Ainda, como ingrediente para aventuras, deve-se saber que apenas 2% das estradas na Namíbia são asfaltadas. O resto é de areia compactada, e sem muitos pedriscos. Nelas, a velocidade permitida é de incríveis 100 por hora. Não tem buracos e o traçado ajuda. Mas, por ser de areia, não cheguei a observar nenhum veículo trafegando nem perto disso. Mesmo assim vi alguns carros acidentados.

A Namíbia também é o lugar de grandes e trágicas histórias de naufrágios, na famosa Costa do Esqueleto, cheia de recifes onde muitos navegantes perderam a vida. E dos náufragos que conseguiam se salvar, conta-se que muitos, depois de chegarem em terra, teriam preferido morrer no mar. Vagando pelas dunas do deserto junto ao mar, vinham os leões e se banqueteavam com os sobreviventes “azarados”. E hoje essa costa se mantém como área extremamente vigiada, protegida pelo governo e empresas de exploração de minérios, entre eles os famosos diamantes, das maiores minas do mundo escondidas pela areia.

A praia mais conhecida é Swakopmund, É um grande centro de lazer do povo da Namíbia e de milhares de turistas europeus, que aqui vem a procura de paz e distância dos grandes centros. Ali é possível voar de balão, fazer longos e desafiadores passeios de quadriciclo pelas imensas dunas, saltar de para-quedas no deserto, ir a excelentes restaurantes a beira-mar e apreciar a paisagem nada comum do mar azul em contraste com as dunas alaranjadas

Um dos grandes apelos da Namíbia é uma viagem em trem de luxo percorrendo as maiores atrações turísticas do pais (veja o mapa). Para quem não tem muito tempo disponível, tem o Desert Express que faz uma rota exclusiva entre a capital Windhoek e sua praia mais badalada, Swakopmund. Uma viagem de dois dias, com saída uma vez por semana de um dos pontos de partida. Pode ser ida e volta, ou apenas ida, ou ainda, ir de trem e voltar de carro. Para se ter uma idéia, é bom saber que para 2014 não tem mais nenhum lugar disponível! Nas, apenas 24 cabines exclusivas e luxuosas, tem grandes janelas e banheiro. Pra quem se interessar aí vai o site com todas as informações:           http://www.luxurytrainclub.com/trains/desert-express/

TREM6

Roteiro completo de trem.

Desert Express

Desert Express

Povos diferentes.

Para quem quer ver tribos e povos realmente diferentes tem os “Himbas” ao norte e os “Herero” na região central. Os Himbas usam quase nenhuma roupa e, como curiosidade, as mulheres, a partir da “cerimônia de maioridade” aos 16 anos, nunca mais tomam banho com água. Sua higiene é feita apenas com uma mistura de areia e um corante vermelho espalhado em todo o corpo. Já os “Herero” são um povo cuja tradição é a criação de gado. Como curiosidade, as mulheres usam na cabeça um pano, dobrado em forma de chifre, para mostrar o quanto adoram os bois que seus antepassados criavam. Hoje vivem apenas do artesanato.

Além desses povos, ainda estão espalhados por toda a Namíbia, com uma concentração maior ao norte, o povo “San”, que são caçadores nativos, que antigamente ocupavam todas as regiões desérticas do sul do continente africano. São também conhecidos como “Bushman”, e famosos por sua habilidade como caçadores e total adaptação ao ambiente hostil, conseguindo sobreviver com pouca água e comida, mantendo um enorme vigor físico. Como curiosidade, esse povo tem um modo de falar característico, imitado por alguns habitantes das cidades, por ser um tanto engraçado. Usam a linguagem dos “cliques”. Quando falam, entre as palavras, produzem sons como estalos ou cliques usando a língua. Tentei imitá-los algumas vezes, mas me atrapalhei todo e só consegui rir bastante. Continuo tentando, e rindo!

África Congelante!

Para quem achou que aqui é o paraíso na África vai uma ressalva bastante séria! Aqui foi o  lugar do mundo onde passei mais frio!

É de conhecimento de quase todos que o clima desértico produz calor durante o dia e muito frio a noite. Mais isso no verão. No inverno, faz uma temperatura agradável durante o dia e as noites são todas …… congelaaaaantes! Cheguei a suportar temperaturas de -5 graus! Como eu estava viajando numa expedição, dormia em barracas. Além de um colchonete fino que me deixava sentindo todas as irregularidades, ainda sentia o frio que vinha por baixo. E eu dentro de um mísero saco de dormir de verão, sendo que no decorrer da madrugada a temperatura não parava de cair. E o que era apenas suportável no início da noite, tornava-se torturante com o passar da horas, piorando sempre até um amanhecer que sempre parecia demorar mais, quanto mais fosse o frio. Quando a expedição chegou na primeira cidade que tinha um supermercado, foi uma correria geral para comprar cobertores extras.

T.I.A. 

Mais aventura!? Sim aqui tem muita. Pelo que podemos supor das iniciais acima, exibidas em muitas camisetas vendidas para turistas.

Como no dia que um chacal levou os tênis de um de nós, que o tinha deixado do lado de fora da barraca, por força de um chulé capaz de atrair animais carniceiros.

Ou de uma noite que acordei com o barulho de uma cobra tentando se enfiar debaixo da barraca. No inicio foi meio assustador, depois, protegido pelo assoalho espesso da barraca própria para a África, troquei de lado e tratei de dormir. Cada um no seu lado!

E ainda, outro dia, ao dobrar as barracas num amanhecer gélido, quando fui tirar o assoalho, lá estava outra cobra aninhada. Uma moça que vinha do banheiro quase pisou em cima. Um pulo e um grito e depois umas risadas.

E um inevitável: “THIS IS ÁFRICA”!!!!